Loading

Com a redução das demandas por café em 1930, o país passou por mudanças que desencadearam o início do processo de industrialização. Isso fez com que a economia permanecesse fechada por um tempo para que as primeiras indústrias se estabelecessem.

Após esse período, com a implantação do Plano REAL e o controle da inflação, nossa economia passou a ser aberta internacionalmente e isso criou um potencial para oportunidades de negócios. O grande impacto da abertura econômica é a entrada de investimentos através de capital estrangeiro e isso forçou uma competitividade no setor de importação e exportação.

Esse cenário gerou uma busca por inovações e medidas para se reduzir custos de produção, estratégias para o aumento da produtividade e gestão de pessoal para que se obtenha o melhor resultado em mão de obra.

Abriu espaço também para terceirização de serviços, o que de certa forma foi bom para as empresas, que passaram a se dedicar mais à sua atividade principal. A necessidade de ampliação na busca por uma fatia maior do market share incentivou as melhorias nos produtos da pequena e média empresa para continuar competitiva.

Alguns métodos passaram a ser aplicados para auxiliar na organização corporativa e gestão da produção como: Just In Time, CQT (Controle da Qualidade Total), mudanças no layout das plantas, CEP (Controle Estatístico de Processo), o sistema japonês de organização “5S”, entre outras que serão abordadas nos próximos artigos.

Houve uma separação entre o escritório e a linha de produção (fábrica).

Mudanças organizacionais no trabalho como a exigência por um trabalhador mais qualificado, implementação do trabalho em equipe, gestão comparticipação dos funcionários, e investimentos em treinamento foram marcos para essa nova organização do trabalho.

Com todas essas mudanças, o panorama econômico se moldou até chegar ao patamar competitivo que temos hoje.

Deixar uma resposta

Top
www.000webhost.com